Your Privacy

We use cookies on our website to analyze how people use it and improve the experience.

You can read more about how we use cookies in our Privacy Policy, or manage your preferences below. To continue browsing, choose one of the options below.

Ilustra??o: Katrin Friedmann

Your Vagina

Vaginose bacteriana: raz?o comum de corrimento vaginal anormal

por Anna Druet, Former Science and Education Manager
  • Compartilhar este artigo no Twitter
  • Compartilhar este artigo no Facebook
  • Compartilhar este artigo pelo WhatsApp

*Tradu??o: Juliana Secchi

Coisas importantes a saber:

  • O equilíbrio de bactérias na vagina é importante para manter você e seu trato reprodutivo saudáveis

  • A vaginose bacteriana é a causa mais comum em pessoas que procuram atendimento para tratar corrimento e odor vaginais fora do normal

  • Limite fatores de risco: use preservativos, n?o fa?a ducha íntima e mantenha todos os tipos de sabonete longe da vulva e da vagina

  • O tratamento da vaginose bacteriana pode variar de antibióticos e antissépticos até medicamentos para restaurar a acidez e também probióticos

A composi??o do seu ecossistema vaginal está em constante fluxo. Ele muda com as fases da sua vida reprodutiva (puberdade, menarca, gravidez, menopausa), bem como com o seu ciclo hormonal (1, 2). Mas sua flora vaginal trabalha continuamente para manter um nível de homeostase, protegendo e facilitando a fertilidade antes e durante a idade reprodutiva e ajudando a manter seu corpo saudável por toda a vida.

O tipo predominante de bactéria que habita a vagina saudável normal é o Lactobacillus, constituindo cerca de 70% de todas as bactérias vaginais (3, 4). Na idade reprodutiva, pode haver até 10 milh?es dessas bactérias em cada grama de corrimento vaginal em determinados momentos do ciclo menstrual (2). Os lactobacilos est?o presentes em muitas espécies e também s?o encontrados no seu sistema digestivo e urinário (assim como no iogurte, e é por isso que você talvez reconhe?a a palavra). Essas (e outras) bactérias produzem peróxido de hidrogênio e ácido lático como produtos de sua digest?o, que ajudam a manter o pH baixo de uma vagina saudável (ou seja, um ambiente levemente ácido) e impede que popula??es de outros micróbios cres?am ou que cres?am demais (uma minoria de vaginas possui uma variedade de outras bactérias dominantes produtoras de ácido lático) (5).

O equilíbrio de bactérias em sua vagina é importante para manter você e seu trato reprodutivo saudáveis.

O que é a vaginose bacteriana?

é comum n?o ter ouvido falar sobre vaginose bacteriana até você notar um problema com seu próprio corrimento e come?ar a pesquisar no Google. A vaginose acontece quando o equilíbrio normal das bactérias vaginais é substituído por um grande número de bactérias anaeróbias (bactérias que n?o precisam de oxigênio para crescer). O tipo mais comum de bactéria causadora é chamada Gardnerella (n?o confunda com a IST gonorreia, se você ver isso no seu relatório clínico). Os processos de digest?o da nova comunidade bacteriana criam diferentes subprodutos e mudan?as no ambiente, que podem levar a sintomas que v?o desde um odor desagradável ou que lembra peixe a coceira, desconforto e inflama??o (6). Uma resposta imune também é desencadeada na vagina e pode degradar o muco natural que a protege. Isso pode tornar o trato reprodutivo mais propenso a infec??es sexualmente transmissíveis (ISTs), como HIV e clamídia (7).

A vaginose bacteriana é a causa mais comum em pessoas que procuram atendimento para tratar corrimento e odor vaginais fora do normal.

Em muitos casos, os impactos mais significativos da vaginose sintomática s?o emocionais e sociais. Isto é especialmente verdade para pessoas que a apresenta de forma recorrente (tendo várias vezes apesar de realizar tratamento). Um estudo constatou que, dependendo da gravidade e frequência dos sintomas, a vaginose pode levar as pessoas a se sentirem "constrangidas, envergonhadas, 'sujas' e muito preocupadas que outros possam notar seu mau odor e corrimento anormal" (8). Isso pode afetar a auto-estima e a vida sexual dessas pessoas, que podem passar a evitar completamente a atividade sexual (especialmente receber sexo oral). Sintomas recorrentes, sem entender o motivo, podem ser frustrantes e fazer com que se sinta estar fora de controle.

Embora ela geralmente n?o levar a complica??es de saúde, às vezes a vaginose n?o tratada pode acarretar doen?as inflamatórias pélvicas, infec??o após cirurgia ginecológica e complica??es na gravidez, incluindo aborto espontaneo e parto prematuro (7, 9, 10).

A vaginose bacteriana acontece quando o equilíbrio normal de bactérias é substituído por um grande número de bactérias anaeróbicas.

Qu?o comum é a vaginose bacteriana?

Nos EUA, vaginose bacteriana é a causa mais comum em pessoas que procuram atendimento para tratar corrimento e odor vaginais fora do normal. Uma pesquisa descobriu que cerca de 3 em 10 pessoas nos EUA a ter?o em algum momento (cerca de 2 em 5 pessoas brancas, cerca de 3 em 10 de origem mexicana, cerca de 5 em 10 afro-americanxs), embora muitos desses casos fossem assintomáticos (por volta de 84% n?o apresentava sintomas vaginais) (9). A prevalência varia bastante entre os dados demográficos e está ligada a características socio demográficas, incluindo ra?a, etnia, educa??o e renda (9, 11).

Uma m?o segurando um celular com o Clue app aberto

Baixe o Clue e registre todo sobre sua vagina: sangramento, sexo, contracep??o e corrimento.

Ilustra??o de uma avalia??o cinco estrelas

4.8

mais de 1M avalia??es

Ilustra??o de uma avalia??o cinco estrelas

4.8

mais de 1M avalia??es

Quais s?o as causas da vaginose bacteriana?

As causas exatas ainda n?o s?o conhecidas. A homeostase vaginal pode ser desequilibrada tanto por fatores internos (ex. antibióticos, dieta) quanto fatores externos (ex. sabonete, sêmen), mas n?o se entende completamente por que uma pessoa tem vaginose recorrente em uma situa??o específica, enquanto outra n?o.

Alguns fatores demonstraram aumentar o risco; por exemplo, pessoas que fizeram ducha íntima nos últimos seis meses têm uma probabilidade significativamente maior de tê-la (9). Sangramento uterino prolongado ou irregular também pode contribuir. Isso pode acontecer porque o sangue uterino altera o pH da vagina para um pouco menos ácido (há menos lactobacilos por volta da menstrua??o) e/ou porque os glóbulos vermelhos aumentam as chances dessas bactérias serem carregados para fora da vagina (2, 11). Quem tem sangramento prolongado como efeito colateral de um novo DIU, por exemplo, pode ter maior probabilidade de ter vaginose, mas s?o necessárias mais pesquisas para determinar isso (11). A vaginose recorrente pode surgir ao redor da menstrua??o pelo mesmo motivo (11). O uso de contraceptivos hormonais em geral, incluindo “a pílula”, demonstrou ter um efeito protetor contra vaginose bacteriana (9, 11, 12).

Práticas sexuais também est?o associadas a um maior risco de. Nos EUA, cerca de 85% das pessoas que sofrem de vaginose bacteriana s?o sexualmente ativas (9). Fatores de risco específicos podem incluir parceiros(as) sexuais novos ou múltiplos, falta de uso de preservativo, rela??o sexual vaginal e praticar sexo anal antes da rela??o vaginal sem utilizar uma nova barreira protetora (13–15).

Os episódios recorrentes de vaginose podem ter uma tendência a aparecer por volta da menstrua??o.

Preven??o e tratamento da vaginose bacteriana

às vezes as bactérias vaginais podem ficar desequilibradas e depois melhorar por conta própria. Para prevenir VB, comece por limitar seus fatores de risco. Use preservativos, n?o fa?a ducha íntima e mantenha todos os sabonetes longe da vulva e da vagina (alguns especialistas dizem que o sabonete sem espuma e sem cheiro n?o faz mal à vulva, já outros dizem para lavar só com água). N?o use produtos com aromas ou perfumes nessa área e limite seus banhos de banheira.

Muitas vezes, porém, os sintomas persistem ou se repetem e precisam ser tratados. Encontrar a origem do problema seria muito útil, mas isso geralmente é difícil quando pouco se sabe sobre as causas.

O tratamento pode variar de antibióticos e anti-sépticos a medicamentos para restaurar a acidez e também probióticos (siga aqui, em inglês, uma discuss?o aprofundada sobre os tratamentos atuais). Alguns tratamentos est?o disponíveis sem receita, mas outros precisar?o de indica??o médica. O monitoramento dos seus sintomas no Clue, especialmente quando eles come?am, pode ajudar você e médicos(as) a identificar gatilhos (em Corrimento, selecione "atípico" ou crie uma etiqueta específica).

Infelizmente, é comum a vaginose bacteriana retornar após o tratamento. A falta de entendimento do que a causa significa que os tratamentos ainda têm um longo caminho a percorrer antes de oferecer eficácia a longo prazo. A agência regulatória norte-americana FDA estima que a “taxa de cura” pós-tratamento seja inferior a 4 em 10, com entre 3 e 8 pessoas tendo recorrência dentro de vários meses (16–18). A limita??o dos fatores de risco após o tratamento pode ajudar—converse com seu(ua) médico(a) sobre op??es.

Por fim, se você quiser, converse sobre vaginose com seus parceiros e amigos. A falta de consciência em torno do tema é estarrecedora, considerando o qu?o comum é. Trazer conhecimento e conscientiza??o às pessoas ajuda a evitar o estresse que pode advir desse problema.

Você também pode gostar de ler:

Artigos mais populares

汤姆叔叔-官网